Aos 115 anos, idosa que vivenciou duas pandemias é vacinada contra a Covid-19 no Piauí

Aos 115 anos, idosa que vivenciou duas pandemias é vacinada contra a Covid-19 no Piauí — Foto: Arquivo Pessoal

Maria Araújo nasceu em 1906, em Agricolândia, doze anos antes da pandemia da gripe espanhola, conhecida como ‘Mãe das Pandemias’. Vacinação de idosos com mais de 90 anos aconteceu nesta terça (9) e quarta-feira (10).

Maria Araújo da Silva, de 115 anos, foi vacinada contra Covid-19 na manhã desta quarta-feira (10) no ponto de vacinação instalado em uma faculdade particular do bairro São Pedro, Zona Sul de TeresinaA vacinação para idosos com mais 90 anos aconteceu nesta terça (9) e quarta-feira (10) na capital.

Maria Araújo nasceu em 1906, em Agricolândia, doze anos antes da pandemia da gripe espanhola. Conhecida como ‘Mãe das Pandemias’, foi causada pelo vírus influenza e matou mais de 50 milhões de vítimas entre 1918 e 1920. Segundo Deuzelina Araújo, de 66 anos, neta da dona Maria, a avó era criança, e não lembrava mais da época.

“Ela era mocinha, do interior e lá não tinha essas coisa. Talvez tenha pegado uma gripe, mas passou” contou a neta.

Aos 115 anos, idosa que vivenciou duas pandemias é vacinada contra a Covid-19 no Piauí — Foto: TV Clube

Embora seja cega e não possa andar por conta da idade avançada, Maria Araújo não possui nenhuma comorbidade. Hoje em dia, tem 21 netos, 47 bisnetos, 24 tataraneto e 2 tetraneto.

“Acho que ela comeu muita comida saudável, muita coisa orgânica durante a vida. Não essa alimentação industrializada que temos hoje. Então, o segredo dela é esse: ela gostava muito de feijão”, falou Cleide Araújo de 50 anos, irmã de Deuzeline e, também, neta de dona Maria.

Para as netas, que revezam entre si os cuidados com dona Maria, a vacina trouxe os sentimentos de alívio e gratidão. “Eu sei que também tenho idade avançada, mas a minha prioridade é vacinar a vovó”, disse aliviada Deuzeline.

A neta Cleide já foi contaminada pela Covid-19 e teve que passar 32 dias afastada da avó e da mãe, Margarida Araújo Soares, de 86 anos, filha de dona Maria Araújo. Ela conta que foi difícil, mas sua preocupação de deixar seus entes queridos saudáveis venceu a saudade.

“Eu me afastei. A gente não quer perder ninguém, essa doença é muito triste, perder quem a gente ama. A vovó já passou por tanta coisa… Graças a Deus ela já está vacinada”, relatou.

Fonte: Por Lívia Ferreira*, G1 PI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *